Segurança através dos tempos

Saiba os principais cuidados que os síndicos, porteiros e moradores devem ter para evitar situações desagradáveis

Parece inacreditável, mas os primeiros registros de condomínios na História datam de pelo menos 30 séculos antes de Cristo. À época, a segurança era algo secundário e a noção de propriedade era coletiva. A necessidade de criação de condomínios se deu a partir do momento em que a agricultura se consolida, e começa a existir o conceito de propriedade privada. Ali, os homens da Mesopotâmia começaram a colocar limites de área e estabelecer as primeiras regras do que, atualmente, conhecemos como condomínios.

Existe, porém, uma semelhança entre o pensamento do homem antigo e moderno que atravessou todo este tempo:A sensação de segurança. Hoje, a maioria dos condôminos ou pessoas interessadas em se mudar para um edifício veem esta questão como prioritária: pontos de acesso com câmeras modernas que possuem sensor infravermelho; detectores de metais ao lado da portaria que impedem a entrada dos mal intencionados; e, em casos extremos e mais recentes, drones que fazem a segurança do perímetro.

Hoje em dia

Verdade seja dita: para o bem e para o mal, nunca fomos tão vigiados. Apesar disso, até o mais complicado dos quebra-cabeças é possível ser solucionado.

“Mesmo com todo o aparato tecnológico que está à disposição, até para prédios mais simples, ainda estamos passíveis a erros comuns de segurança”

Relata Joelmir Arantes, síndico responsável por um apartamento residencial no bairro do Batel, área nobre de Curitiba.

“Não adianta nada trabalharmos essa parte, se não houver profissionais preparados para lidar com o ser humano, que a meu ver é totalmente imprevisível em diversas situações.”

Joelmir aponta que a maioria das situações de assalto a condomínios ou edifícios que tem conhecimento se deram não pela falta de aparato tecnológico, mas pelo despreparo dos profissionais que recebiam as pessoas em portarias e garagens.

Se tem uma coisa que não combina com a profissão de porteiro, é a ingenuidade”

“Sei do caso recente de um apartamento vizinho, que havia acabado de instalar um sistema de segurança, com orientação profissional e tudo, e logo na segunda semana de uso um rapaz disfarçado de entregador de pizza rendeu o porteiro, tirou a arma do vigia e furtou todos os apartamentos dos primeiros andares. Coisa de minutos.”

Moradores precisam ficar atentos

Casos de rendimento de porteiros são contados a esmo pelos síndicos, mas não são a única forma de burlar um sistema de segurança inteiro. Para Riviana Rucinski, responsável pela administração de um condomínio no bairro da Água Verde, os cuidados básicos entre os moradores também é essencial para evitar situações que possam gerar perigo.

“Manter as portas principais sempre fechadas, aguardar o portão da garagem fechar totalmente e, principalmente, não abrir porta para desconhecidos são conselhos que passamos para todos os moradores aqui”

“Procuro, também, sempre inserir o assunto nas assembleias de condomínio. De toda forma, manter um prédio seguro exige também que gastemos um pouco. E quando pega no bolso, uns concordam e outros não”

Síndico, funcionários e condôminos são responsáveis pelo bem estar do condomínio. É um trabalho em equipe, não individual. Dessa forma, a sinergia entre estes três personagens é fundamental para o bem estar coletivo. Pensando nisso, a revista Condominium elaborou 15 dicas para preservarmos a segurança do condomínio.

Síndicos

1. Checar antecedentes e referências de funcionários antes de contratar

2. Comunicar com clareza todas as normas e procedimentos de segurança, além de verificar se elas estão sendo cumpridas diariamente

3. Promover periodicamente a reciclagem e treinamento dos funcionários

4. Organizar e planejar uma estrutura para que haja cobertura de funcionários durante períodos de recesso, como horários de almoço, por exemplo

5. Procure conscientizar os demais condôminos quanto à importância de se adotar condutas de segurança. Uma boa dica é abordar o assunto nas assembleias gerais e nos quadros de avisos do condomínio

Funcionários


1. Sempre peça autorização ao morador, pelo interfone, para a entrada de qualquer visitante. Na dúvida, não permita a entrada

2. Nunca forneça informações sobre hábitos de condôminos ou sistemas de funcionamento do condomínio

3. Esteja sempre atento ao que acontece nas imediações do condomínio. Carros parados por um longo período, pessoas estranhas observando o movimento ou qualquer outro fato estranho deve ser comunicado imediatamente ao seu superior

4. Seja cordial com moradores e visitantes, porém, e em primeiro lugar, cumpra as regras de segurança, mesmo que isso desagrade alguém

5. No caso de entregas em domicílio, como pizza, solicitar ao condômino para recebê-la na portaria

Condôminos

1. Sempre participe das assembleias e reuniões, especialmente se um dos temas abordados for a segurança

2. Elogie e respeite as ações que visem garantir a sua segurança, mesmo quando essas medidas possam representar certo incômodo para você ou aos visitantes

3. Ao entrar ou sair do condomínio, fique atento para a presença de estranhos nas imediações do edifício, posição de funcionários ou veículos desconhecidos próximos à garagem

4. Evite acionar portões automáticos a uma longa distância, especialmente se observar a presença de “estranhos” nas proximidades do prédio

5. Evite deixar cópias de chaves em portarias, guaritas e recepções, assim como em locais “secretos” como batente de portas, embaixo de tapetes ou dentro de vasos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *